Desenvolvimento de vacinas e terapias para o vírus Zika

Modelo de rato neonatal fornece uma nova plataforma para a pesquisa do vírus Zika

Um novo modelo de camundongo desenvolvido por cientistas na Agência de Administração de Alimentos e Drogas dos EUA, a FDA (U.S. Food and Drug Administration), pode ajudar na atividade potencial da exploração de vacinas e terapias para o vírus Zika. Foi publicado hoje no PLoS Pathogens, a descrição de um modelo de rato neonatal, que fornece uma plataforma para melhorar e potencialmente acelerar os estudos para compreender as causas e efeitos (patologias) do vírus Zika.

Disseminação do vírus Zika

A recente disseminação do vírus Zika e sua associação com o aumento das taxas de distúrbios neurológicos e síndromes congênitas complexas, como a microcefalia em bebês e a síndrome de Guillain-Barré em adultos, criou uma necessidade urgente de modelos animais para se examinar a patologia do vírus. Uma melhor compreensão do impacto e dos efeitos a longo prazo da infecção pelo vírus Zika em ratos pode ser útil nos esforços para encontrar formas de combater o vírus em uma população humana.

Enquanto pesquisas anteriores indicaram que apenas camundongos com sistemas imunológicos comprometidos seriam suscetíveis à infecção pelo vírus Zika, este estudo mostra que ratos neonatais com sistemas imunes de outra forma saudáveis também são suscetíveis. “Há muitas questões não respondidas e essenciais sobre como o vírus Zika funciona, incluindo o impacto a longo prazo”, disse Daniela Verthelyi, chefe do Laboratório de Imunologia da FDA, que liderou o desenvolvimento do novo modelo animal. “Este rato modelo dá aos pesquisadores uma nova ferramenta para estudar e entender como o vírus Zika se replica e se espalha no corpo,  coisa que esperamos irá fornecer essas respostas críticas”.

Linhagem do rato C57BL/6

O novo modelo animal descrito nesta publicação, utiliza a linhagem do rato C57BL/6. Os cientistas da FDA descobriram que os ratos neonatais desta linhagem, são suscetíveis ao vírus Zika e desenvolvem sintomas neurológicos 12 dias após a infecção. Estes ratos eventualmente se recuperaram da doença e, assim, o modelo fornece uma oportunidade para estudar os efeitos de longo prazo do vírus, bem como um meio adicional para a exploração precoce de vacinas experimentais contra o Zika vírus e sua terapêutica.

Redução de patógenos no sangue

Este avanço é apenas um dos muitos projetos de pesquisa que a FDA realizou como parte do esforço abrangente da agência para combater o vírus Zika. Por exemplo, a FDA investiu em iniciativas para entender a eficácia de tecnologias que reduzem patógenos (como vírus ou outros microrganismos que podem causar doenças) no sangue, avaliar o impacto do armazenamento de glóbulos vermelhos na infecção por vírus, expandir a base de dados da agência de amostras Infectadas pelo vírus, essenciais para o desenvolvimento de dispositivos de diagnóstico, e explorar quanto tempo o vírus Zika persiste em tecidos corporais, entre outros projetos.

Epidemia do Zika vírus

“A FDA considera como prioridade máxima a resposta da saúde pública para a epidemia do Zika vírus. Estamos prontos a usar nossos conhecimentos e autoridades para ajudar a facilitar o desenvolvimento e a disponibilidade de produtos que possam ajudar a atenuar ameaças emergentes de doenças infecciosas, como a do vírus Zika. O programa de pesquisa de ciência regulamentar da FDA, é um componente essencial na resposta nacional às doenças infecciosas emergentes “, disse a Dra. Luciana Borio, cientista-chefe em exercício, da FDA. “Ajudar a avançar nas abordagens que os cientistas podem usar para entender o vírus Zika acabará por ajudar a acelerar o desenvolvimento e a disponibilidade das ferramentas necessárias para combatê-lo”.

Segurança e a eficácia de vacinas experimentais

Além de avançar nas iniciativas de pesquisa, a FDA também está trabalhando rapidamente em uma variedade de áreas para responder ao emergente surto do vírus Zika. As atividades da agência estão focadas em proteger a segurança no fornecimento de sangue e células humanas, tecidos e produtos celulares e de tecidos, estimulando o desenvolvimento de testes de diagnósticos, para ajudar os médicos a detectar e diagnosticar a infecção pelo vírus Zika e a avaliar a segurança e a eficácia de vacinas experimentais assim como novas terapias que estão atualmente em diferentes estágios de desenvolvimento precoce.


FDA

A FDA, Agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, protege a saúde pública, assegurando a proteção, eficácia e segurança dos medicamentos humanos e veterinários, vacinas e outros produtos biológicos para uso humano, e dispositivos médicos. A agência também é responsável pela segurança e proteção dos suprimentos de alimentos da nação, cosméticos, suplementos alimentares, produtos que emitem radiação eletrônica, e pela regulamentação de produtos do tabaco.

Publicado em: 17/11/2016 | Fonte: http://www.fda.gov/

Outras Informações

Lente intraocular para pacientes com catarata Lente intraocular com ampla gama de visão para pacientes com catarata A Agência de Administração de Alimentos e Drogas dos EUA, FDA, aprovou hoje a p...
Tratar doença de Parkinson – Xadago (safinamida)... A FDA aprova medicamento para tratar doença de Parkinson A Agência de Administração de Alimentos e Drogas dos EUA, FDA, aprovou hoje os comprimidos d...
Tratamento de artrite reumatoide – Xeljanz (tofaci... Tratamento de artrite reumatoide ativa A Agência de Administração de Alimentos e Drogas dos EUA, FDA, aprovou o Xeljanz (tofacitinib), para tratament...

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se e receba informações atualizadas das agências internacionais, FDA/US e EMA/EU.

São informações úteis e pertinentes para médicos, profissionais de saúde e pacientes.

Seus dados estarão totalmente seguros conosco e você pode cancelar sua inscrição quando quiser.

Seu cadastro foi realizado com sucesso!